Cidades

Bancos adotam novo protocolo de atendimento

| Edição de



As agências bancárias de toda a região estão trabalhando com atendimento em contingenciamento para evitar aglomerações de pessoas. Mudanças nas práticas de higienização também estão sendo adotadas para obedecer às orientações do Ministério da Saúde e conter a proliferação do vírus causador da Covid-19. A oferta de álcool gel para clientes e funcionários e a intensificação dos procedimentos de limpeza e desinfecção de caixas eletrônicos e mobiliário foram adotadas em todas as agências, que também estão controlando a entrada de pessoas.
No Itaú de Apucarana, por exemplo, somente 10 clientes por vez são permitidos na agência. Os outros devem aguardar para poder entrar e até mesmo para utilizar caixas eletrônicos, que estão sendo higienizados com álcool várias vezes ao dia. “Nossos colaboradores estão utilizando máscaras para o atendimento e a saúde de todos está sendo monitorada diariamente para saber se alguém apresenta sintomas. Também estamos respeitando a distância mínima de 1,5 metros de pessoa para pessoa e dispensamos colaboradores que fazem parte do grupo de risco até que a situação se normalize”, explicou o gerente da agência em Apucarana, Maicon Antônio Fornari.
O Bradesco permite a entrada de até 20 clientes por vez, também obedecendo uma distância mínima entre pessoas. O mesmo acontece para o autoatendimento nos caixas eletrônicos. Um rodízio entre os funcionários também foi aplicado, onde 50% dos colaboradores ficam na agência e os outros 50% trabalham de casa, conforme a gerência de uma agência de Arapongas.
A Caixa Econômica divulgou um comunicado informando que fluxo de pessoas no interior das agências será limitado a no máximo 50% da capacidade dos assentos das unidades, para que seja possível manter a distância de no mínimo 1 metro entre as pessoas. 
O diretor do Procon de Apucarana José Carlos Balan, esclarece que o contingenciamento de atendimentos nas agências bancárias durante a epidemia do coronavírus tem amparo legal e que os clientes devem ter bom senso na hora de utilizar o serviço. “Se for possível esperar alguns dias, se não for urgente ir ao banco, não vá. Este é um momento de prevenção, por isso é necessária paciência dos clientes que precisam de atendimento bancário. Essas medidas de limite de acesso são uma questão de saúde pública e tem amparo na legislação”, garantiu Balan.
(ALINE ANDRADE)