Cidades

Carnaval da Nostalgia

| Edição de

O Carnaval virou sinônimo de viagem para o litoral ou de descanso para maioria dos apucaranenses. No entanto, nem sempre foi assim. A festa foi tradicional na cidade nas décadas de 60, 70 e 80. Tinha até desfile de escola de samba na Avenida Curitiba e os clubes realizavam bailes concorridos. 
Os carnavalescos apucaranenses levavam tão a sério que as escolas eram compostas por comissão de frente, carro abre-alas, carros alegóricos, mestre-sala e porta-bandeira, princesas e madrinha de bateria. A Avenida Curitiba era tomada pela multidão para acompanhar os desfiles das escolas de samba Águia do Alvorecer, Unidos da Barra Funda e Salário Mínimo, que marcaram época. 
A paixão pelo Carnaval vem de família na casa dos irmãos Djalma Venâncio, 50 anos, o Banha, e Marcel Venâncio, 36, de Apucarana. Eles são filhos de Heitor Venâncio -já falecido-, um dos fundadores da escola Unidos da Barra Funda e irmãos do carnavalesco, Paulo Henrique Venâncio, o Bavária. A agremiação foi criada nos anos 60 e contava com cerca de 800 integrantes, atraindo mais de 20 mil pessoas à Avenida Curitiba.