Colunas

Contra maus gestores

| Edição de

Os acórdãos emitidos pelos Tribunais de Contas, de Justiça e Eleitoral do Paraná têm impacto direto sobre o cotidiano do cidadão. Exemplo disso foi a realização de novas eleições em oito municípios do Estado, nos quais a condenação por improbidade administrativa levou à impugnação dos candidatos eleitos em outubro de 2016. Para evitar, ou reduzir ao máximo, o risco de fatos como esses é necessário que os três órgãos trabalhem em sintonia. A união de esforços foi defendida ontem pelo presidente do TCE-PR, conselheiro Durval Amaral, no evento Debates sobre a Lei de Improbidade Administrativa, organizado pela Escola de Gestão Pública do TCE-PR. “Essa sinergia entre o Tribunal de Contas, o Poder Judiciário e o Tribunal Regional Eleitoral trará benefícios para toda a sociedade”, afirmou Amaral.