Política

Covid reduz tempo da sessão da Câmara de Vereadores de Apucarana

| Edição de

Dois casos confirmados de servidores acometidos com a Covid-19 e outros dois ainda suspeitos obrigaram o presidente da Câmara de Vereadores de Apucarana, Franciley Preto Godói Poim (PSD), a tomar algumas medidas urgentes no sentido de reduzir o tempo de duração da sessão ordinária de ontem à tarde, bem como proibir a presença de público, conforme já havia anunciado anteriormente. 
Por ato do presidente, o primeiro expediente, em que os vereadores fazem suas explicações pessoais, foi reduzido de cinco para três minutos, enquanto o segundo expediente, em que o vereador tem até dez minutos para se manifestar, foi integralmente suspenso.
A presidência informou ainda que no último final de semana e ontem todos os setores internos do Legislativo passaram por um processo de desinfecção do novo coronavírus. “Nossa preocupação é preservar a vida de nossos servidores, dos vereadores e do público em geral”, explicou Poim.
De acordo com a presidência, os dois servidores que testaram positivo para a Covid-19 estão em isolamento domiciliar, encontram-se em tratamento e passam bem. Eles deverão cumprir o que determina o protocolo médico e permanecer dez dias longe das atividades de trabalho, podendo o tempo ser prorrogado caso necessário. Os outros dois suspeitos da Covid também já foram afastados do trabalho e deverão permanecer em casa para monitoramento. Os quatro são servidores diretos da Câmara, não são lotados em gabinetes de parlamentares.
Vale lembrar que em janeiro morreu o vereador eleito pastor Valdirn Silvério dos Reis (PSL) por Covid-19.
Apesar da tentativa de Poim de reduzir o tempo de duração da sessão, o assunto Covid acabou alongando os debates em plenário. Para alguns vereadores, entre eles Lucas Leugi (PP), os casos de contaminação pelo novo coronavírus deveriam ser passados para o conhecimento de todos os servidores e vereadores com maior rapidez e com maior transparência. A maioria dos vereadores, no entanto, concordou com as medidas preventivas tomadas pelo presidente da Casa de Leis. “Toda ação para tentar frear esse vírus é válida”, disse o vereador Marcos da Vila Reis (PSD).
Na sessão de ontem, inclusive, a Câmara aprovou dois requerimentos do vereador Moisés Tavares (Cidadania) relacionados à Covid-19. Um pede informações à Secretaria Municipal de Saúde sobre o Plano Municipal de Vacinação, para que a população não acredite em falsas informações passadas por fakenews sobre o cronograma de vacinação por fases. Outro pede informações à Autarquia Municipal de Educação sobre o calendário escolar e o retorno às aulas nesse período de pandemia.