Opinião

Iniciativas digitais na gestão das cidades

| Edição de

A tecnologia é geralmente definida como o desenvolvimento de técnicas, ferramentas ou sistemas que ajudem a tornar a vida melhor. Nesse sentido, é fácil entender que inovações tecnológicas e gestão pública deveriam caminhar lado a lado. Com o crescimento contínuo do número de dispositivos conectados no mundo, no entanto, esse potencial fica ainda mais evidente. Mas como, afinal, as cidades podem se beneficiar da transformação digital e da evolução dos serviços de TI?
O primeiro ganho, certamente, é a redução de custos. De acordo com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, a adoção de processos de digitalização pode gerar a redução de até 97% nos custos de atendimento do setor público. No cenário atual, com as administrações governamentais cercadas pelas demandas de contenção de gastos, a aplicação de novas tecnologias se apresenta, portanto, como um caminho prático para diminuir as despesas.
Ao mesmo tempo, a transformação digital pode ser uma aliada eficaz para oferecer mais comodidade à população. Levantamento do governo federal indica que, hoje, os cidadãos compõem cerca de 20% do total de usuários dos serviços públicos digitais, ficando atrás apenas das empresas privadas, com 22%. Esse dado revela a existência de uma enorme demanda represada na oferta de aplicações e sistemas que podem tornar o relacionamento entre as pessoas e o poder público menos burocrático e mais ágil.
Os governos municipais são os que mais têm a ganhar com a transformação digital. O maior exemplo de como esse trabalho pode gerar valor de forma constante está nas ações ligadas à área da Saúde, considerada prioritária pela maior parte dos brasileiros. Com o uso de aplicativos, dezenas de cidades ao redor do País já conseguem reduzir as filas para consultas e procedimentos cirúrgicos por meio da gestão inteligente e automatizada de informações. Esses municípios também passaram a oferecer mais comodidade aos cidadãos ao disponibilizar, em ambiente online, acesso a resultados de exames médicos e ao agendamento de procedimentos, eliminando a necessidade de comparecimento às unidades de Saúde.
À medida que as inovações tecnológicas se consolidam no mercado, mais governos estão sendo levados a também buscarem meios de transformar seus ativos. Vale frisar, inclusive, que as prefeituras não devem esperar as iniciativas estaduais e federais para se preparem a nova realidade global. Ao contrário, os gestores municipais devem entender a adoção de serviços digitais como uma oportunidade dupla: em primeiro lugar, é uma chance de aproximar a administração da população, antevendo e simplificando a oferta de serviços às pessoas; além disso, a adoção de TI avançada pode significar uma extensa e profunda economia de recursos, algo extraordinariamente importante atualmente.
O desafio para as prefeituras, porém, é concretizar uma estratégia eficiente de transformação digital com o menor impacto possível à continuidade de seus serviços. Para isso, é aconselhável que os municípios contem com parceiros e oportunidades que tornem a jornada de digitalização mais econômica, viável e ágil.
Seja como for, a criação de cidades digitais é um caminho sem volta. As prefeituras terão de se adaptar a este mundo e o melhor é que façam esse movimento o quanto antes. Existem inúmeras possibilidades, mas deixar o tempo passar, sem dúvida, não é a melhor opção. É hora de agir e inovar.