Cidades

LEITE EM ALTA

| Edição de

Reflexo da entressafra e do efeito pandemia, o leite está mais valorizado no campo. Desde janeiro, o preço do leite pago aos produtores nos 15 municípios da regional da Secretatia de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab) de Ivaiporã registrou uma alta de R$ 0,55 por litro. No início do ano, o produtor recebia, em média, R$ 1,25 por litro. Atualmente, os produtores passaram a receber em torno de R$ 1,80, um reajuste de 44%. 
O preço é pago de acordo com a qualidade do leite, o que envolve índices de teor de gordura, proteínas, carga microbiana, dentre outros. A produtora Adriana Almagro relata que os preços foram progredindo ao longo dos meses, mas afirma que apesar do reajuste, os custos também cresceram. “Em agosto eu recebi R$ 1,98 por litro e agora vai ser pago R$ 2,14. A receita aumentou, mas o custo também é maior e a produção do meu plantel também caiu bastante. Por enquanto, o que está me salvando é que o valor subiu bastante. Se tivesse nos valores anteriores eu estaria complicada”, comenta. 
Conforme o agrônomo do Deral, Sérgio Carlos Empinotti, a alta do leite envolve uma combinação de fatores, o primeiro é a entressafra que começou em abril e vai até o final de setembro. Além disso, houve aumento do consumo em meio à pandemia, além da alta do dólar e a redução da importação. 
“O custo de produção também teve alta elevada, principalmente pelo preço do milho e farelo de soja que são base da alimentação dos animais e quase dobrou sua cotação no mercado interno no último ano, por conta da demanda aquecida para a exportação” disse Empinotti. 
Apesar dos preços melhores neste momento, o agrônomo alerta cautela aos produtores, já que os preços podem cair com a elevação da oferta a partir dos próximos meses. “Com o fim da entressafra a produção do leite aumenta e a tendência é de queda no preço pago ao produtor. Mas, os custos tendem a continuar em alta”.