Cidades

Operação Delta prende três pessoas e apreende fuzil em Arapongas

| Edição de

Três pessoas foram presas e um fuzil foi apreendido na manhã de ontem em Arapongas durante cumprimento de mandados de busca e apreensão da Operação Delta, que investiga o crime organizado. Em todo estado, 45 mandados de prisão e 11 mandados de busca e apreensão foram cumpridos em 11 municípios. Cerca de 160 policiais militares de 10 unidades operacionais participaram da operação. 
No endereço em Arapongas, uma casa no bairro Santa Alice, policiais apreenderam, além do fuzil 556, coletes balísticos, roupas com inscrições da Polícia Civil e bloqueadores de sinal, equipamento usado para driblar rastreamento de veículos furtados ou roubados, além de várias placas de veículos. Uma caminhonete roubada também foi recuperada;
Na casa estavam dois homens, irmãos de 42 e 38 anos, e uma mulher de 22 anos que foram presos. Segundo informações da Polícia Militar, o homem de 42 anos possuía 7 mandados de prisão em aberto pelos crimes de latrocínio, roubo e receptação. Já o irmão e a mulher também têm registro criminal por associação criminosa. Ainda segundo a PM, a suspeita é que os detidos em Arapongas estejam ligados ao núcleo da quadrilha especializado em  assaltos em rodovias.
“Este homem de Arapongas, que foi um dos alvos da operação, estava sendo procurado há anos e se envolveu em várias ocorrências. Por meio da perícia da Polícia Científica vamos verificar se o fuzil apreendido com ele é o mesmo que foi usado em confrontos contra equipes policiais em situações de roubo na região de Maringá. Ele já tinha sido preso várias vezes e ainda tinha sete mandados de prisão em aberto”, detalhou o tenente-coronel o tenente-coronel Ademar Paschoal, que responde pelo 3º Comando Regional da PM.
Deflagrada pelo Ministério Público do Paraná e Polícia Militar, a Operação Delta tem por objetivo desarticular uma organização criminosa sediada em Colorado, com núcleos em mais 11 cidades paranaenses. As investigações, que duraram cerca de dez meses, permitiram mapear e identificar os núcleos de atuação que, operando de forma coordenada, implementaram um sistema de distribuição de drogas e prática de outros crimes com a participação de colaboradores do grupo. Foram identificados núcleos distintos da organização criminosa, com foco principal no tráfico de drogas, mas atuando também na prática de outros delitos, como negociação de armas, roubos, furtos, homicídio e tentativa de homicídio. Um dos núcleos especializou-se em roubos de veículos e ônibus.