Cidades

Vacinação do sarampo abaixo da meta gera alerta em Apucarana

| Edição de


A cobertura vacinal contra sarampo em Apucarana, que deve ser aplicada em duas doses, aos 12 e 15 meses, está abaixo do índice de 95% preconizado pelo Ministério da Saúde. O percentual em 2018, divulgado ontem pela Autarquia Municipal de Saúde (AMS), foi de 88,86%, dentro de uma meta média anual de 1,7 mil crianças nesta faixa etária. O índice preocupa porque nos 5 primeiros meses deste ano a cobertura está em 85%, 10% menos que a meta prevista.
A realidade de Apucarana é uma tendência nacional e o Ministério da Saúde já anunciou a possibilidade de realizar em breve uma Campanha Nacional de Vacinação Contra o Sarampo para reverter as quedas nas taxas das coberturas vacinais dos últimos anos.
O prefeito Junior da Femac faz um chamamento aos pais para redobrarem a atenção no calendário de vacinação e não percam as datas recomendadas, garantindo assim a proteção de seus filhos contra muitas doenças. “Vacinar nossos filhos é um ato de amor”, afirma Junior da Femac.
Em 2018, o Brasil enfrentou a reintrodução do vírus do sarampo, com a ocorrência de surtos em onze estados, com um total de 10.326 casos confirmados. Neste ano, segundo o Ministério da Saúde, já foram confirmados 83 casos no Brasil.
Por conta dos novos casos em 2019, o país pode perder o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo, que recebeu da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) em 2016.
O coordenador do setor de epidemiologia da AMS, Luciano Pereira da Silva, explica que a vacina Tríplice Viral, contra caxumba, rubéola e sarampo, deve ser tomada aos 12 meses de vida e um reforço aos 15 meses. No entanto, considerando aqueles que não foram imunizados dentro do que estabelece o calendário nacional de vacinação, o Ministério da Saúde orienta aos adultos de até 49 anos a também se vacinar contra o sarampo.
De acordo com o diretor presidente da AMS, Roberto Kaneta, a rede pública de saúde no município, através das Unidades Básicas de Saúde, disponibiliza ininterruptamente a vacina contra o sarampo para população que ainda não está com o número de doses recomendado pelo Programa Nacional de Imunização.