Esportes

2020: o ano que o esporte parou

| Edição de

Que a pandemia do novo coronavírus afetou todos os segmentos e mudou a rotina das pessoas, todo já mundo sabe. O que ainda é incerto é o futuro do esporte, que passa por uma crise sem precedentes. Com competições de todos os portes suspensas – da Olimpíada no Japão aos campeonatos amadores – os atletas e todo setor envolvido enfrenta falta de renda e de perspectivas em relação ao futuro. 
O presidente do Apucarana Sports, Douglas Rodrigues, disse que o impacto da pandemia vai além dos jogadores. “O impacto no esporte foi muito grande, porque o esporte emprega muitos funcionários diretos e indiretos e, como se trata de entretenimento, se torna uma opção secundária em  investimentos. Estamos mantendo alguns funcionários em home office e tentando manter o mínimo de condicionamento físico aos atletas com treinos assistidos pelo preparador físico. Buscando patrocínio e investimento para conseguir equilibrar as contas devido a pandemia as receitas diminuíram drasticamente”, informa.
Os times de futsal do município receberam na última quarta-feira, notícias de retorno. As equipes do Apucarana Futsal e do Lokomotiva estão no Grupo 4 do Campeonato Paranaense da Série Bronze de 2020, que definiu para setembro o início das competições. A decisão, entretanto, deve ser homologada pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). A definição das chaves da competição aconteceu no dia 16 de março, porém logo depois veio a pandemia.
Segundo o empresário do Apucarana Futsal, Luis Fernando Milan, a pandemia pegou todo mundo de surpresa. “O projeto ficou muito prejudicado pois estávamos no início, uma vez que anunciamos o retorno do time em 2019. Após a competição, que se iniciaria em março/2020, iríamos iniciar os projetos sociais e categorias de base. Mas com a paralisação tudo ficou para depois”, detalha.
Flávio André, presidente do Lokomotiva disse que os integrantes do time estão treinando já se preparando para um possível retorno. “Nossa preparação vem sendo na parte física, com supervisão do preparador, até que se libere as jogadas com bola”, explica, destacando que a pandemia afeta a parte financeira junto aos patrocinadores, uma vez que muitos também contabilizam prejuízos.