Política

Com voto distrital, Vale do Ivaí poderá ter deputados próprios

| Edição de

Depois das reformas trabalhista e previdenciária, o Congresso Nacional deverá intensificar ainda neste segundo semestre as discussões sobre a reforma política. E o tipo de reforma que o Congresso espera promover pode misturar dois modelos de sistema eleitoral a partir do pleito de 2018: o voto distrital misto com lista fechada e o voto distrital puro. 
Segundo analistas políticos, tanto um modelo como outro garante maior representatividade política de determinada região de um Estado junto à Câmara Federal e na Assembleia Legislativa.
Seja distrital misto ou puro, o Vale do Ivaí, que hoje é carente de parlamentares eleitos na base, poderá ter representação nata a partir das próximas eleições. Isso porque poderá eleger um ou dois deputados federais e de dois a quatro deputados estaduais, dependendo do desempenho dos candidatos. (Ver box abaixo)
A mudança no sistema eleitoral está prevista na PEC 61/2007. A PEC institui o sistema chamado de proporcional misto para a Câmara dos Deputados, que une características da lista fechada — em que o eleitor vota apenas em um partido, e os candidatos são eleitos a partir de listas partidárias pré-definidas — e do modelo distrital puro —, em que os estados são repartidos em distritos e cada distrito elege um representante, numa disputa majoritária.
No sistema misto, os eleitores teriam direito a dois votos para a Câmara: um para o candidato específico do seu distrito e outro para um partido de sua escolha. Metade dos deputados de cada Estado (Câmara e Assembleia) viria das disputas nos distritos, e a outra metade sairia das listas partidárias.
Neste último caso, o que decidiria os vencedores seria a votação proporcional de cada partido. 
A proposta de voto distrital – misto ou puro - já foi analisada no Senado e sua votação deverá ser finalizada na Câmara dos Deputados. O relatório encontra-se nas mãos do deputado Vicente Cândido (PT-SP), relator da reforma.