Opinião

Redução do abandono escolar é bom indicador

| Edição de


Menos estudantes estão deixando a escola antes do fim do ano letivo na região. O índice de abandono nos segundo ciclo do ensino fundamental e no ensino médio na área do Núcleo Regional de Educação (NRE) de Apucarana reduziu em 2018.
Tecnicamente, considera-se abandono todo o estudante que desiste de terminar o ano letivo, independente de reprovação. É diferente de evasão, termo cunhado pelo Ministério da Educação referente ao aluno deixa definitivamente a escola.
Nos 16 municípios da região, o índice de abandono do ensino fundamental caiu de 2,17% em 2017 para 1,29% no ano passado. A redução do ensino médio foi bem mais substancial. O índice de 10,91% de 2017 recuou para 7,75% em 2018, redução de mais de três pontos percentuais.
Segundo o NRE, a redução é fruto de um protocolo de trabalho implantado exatamente com intuito de redução do abandono escolar. O programa monitora frequência dos alunos em sala de aula. O estudante que se ausenta sem justificativas em sete dias durante um período de dois meses ou em cinco dias consecutivos é incluído no programa pelo Sistema Educacional da Rede de Proteção (SERP). A ferramenta virtual foi implantada em 2018 em todas as escolas da área do NRE e encaminha alertas para que que as escolas investiguem os casos. 
Se após a intervenção escolar o aluno não retornar às salas de aula, o caso é encaminhada os órgãos de proteção dos direitos da criança e do adolescente, incluindo o Conselho Tutelar. 
Apesar da queda, os números de abandono no ensino médio estão muito longe do ideal. Nessa faixa etária - quando o jovem está prestes a se inserir ou mesmo já está no mercado de trabalho - o abandono é um passo muito próximo da evasão. Ou seja, é grande o risco do aluno abandonar não apenas o ano letivo, mas a escola de vez.
O impacto do desinteresse relacionado ao ensino médio é um assunto sempre  muito discutido neste espaço, mas vale reforçar que o aumento do nível de escolaridade da população é fundamental não apenas para os jovens diretamente envolvidos nesses índices, mas para toda a região, inclusive e notadamente em termos econômicos. Mão de obra qualificada também atrai investimentos e aumenta a eficiência produtiva de qualquer cadeia econômica.Investir no ensino médio, portanto, é fundamental.